Uma aventura de casal

Dando sequencia nas histórias de amor aqui do Sul da Ilha, nessa matéria vocês vão conhecer a história da Luiza e do Mario, idealizadores aqui do site Sul de Floripa!

Luiza e Mario se conheceram de um jeitinho que muitos duvidam ser possível dar certo, a internet. Pelas redes sociais, amigos e interesses em comum, os dois blogueiros que falavam sobre camping e montanhismo perceberam que o mundo virtual não dava mais conta de matar a curiosidade e a vontade que nasceu de tanto papo e troca de figurinhas.

Quando questionados sobre a ideia de trabalhar juntos, ambos afirmam que isso aconteceu, naturalmente, logo após decidirem morar juntos na cidade do Mario, Rio de Janeiro.

Segundo o casal, apaixonado por curtir a natureza, um dos desafios como casal e parceiros de negócio é o fato de que, mesmo que tenham uma personalidade parecida, às vezes divergem na forma de pensar. “Eu sou meio chato quando bato o pé em algumas coisas de trabalho, rsrsrs. Então acho que a Luiza tem uma paciência enorme para me aguentar em algumas situações dessas.” Confessa Mario. Além de paciente, Luiza revela que outro desafio é a presença constante, pois são 7/24/365, e com a quarentena… Mas como ela mesmo diz e ainda dá dica: “Administramos isso cada um tendo uma vida própria, atividades e hobbys independentes. Se trabalha e mora junto é preciso achar tempo para não estar junto, se não satura.

Mario diz que o segredo para driblarem esses contratempos são: “Conversar, conversar e conversar. Preferencialmente sem limitações, sem levar as coisas para o pessoal. É preciso parar, ouvir o argumento do outro, processar as informações e chegar em uma solução conjunta“. Luiza concorda com o marido e ainda complementa: “Cada um precisa ter seu tempo e espaço para refletir, um longe do outro. Conversamos muitos e temos muito respeito um pelo outro. Outra coisa importante é ter as divisões das atividades bem claras, isso ajuda a cada um entender e fazer seu papel. Para justar é preciso conversar. Um saber o que o outro pensa é a melhor forma de evitar conflitos.

A parte boa, pois na vida de uma casal apaixonado que trabalha junto tem a parte boa sim, é saberem que estão construindo o futuro juntos, no dia a dia. “A gente conversa sobre os problemas e achamos a solução em conjunto, isso acaba fortalecendo a relação“, partilha Luiza. Mario diz que ambos não têm problemas de comunicação ou barreiras naturais que eventualmente acontecem nas empresas. “Nenhum dos dois é chefe do outro. Então, não existem problemas em conversar, explicar problemas, pedir ajuda, etc. Nós trabalhamos juntos, mas cada um tem seus clientes. E quando necessário um ajuda o outro.

Sobre regras e estratégias para que o trabalho não chegue no quarto do casal, Mario e Luiza têm olhares um pouco distintos. Luiza confessa que os assuntos de trabalho andam pela casa. “Naturalmente, eles caminham conosco pela sala, banheiro, cozinha, área e pelo quarto. Se estiver tudo em equilíbrio e harmonia não tem problema algum. Se os dois estão a fim do papo, tudo certo. Se um não está a fim do papo naquele momento, fala e deu. A conversa vai para outra ocasião, independente do local.” Mario já é da teoria de ter a estratégia de não deixar que o trabalho invada o quarto do casal. “O trabalho deve ficar no trabalho, mesmo a gente trabalhando em home office. Quando desligamos os computadores o trabalho tem que ser desligado junto.” Para o casal, isso não é, necessariamente, um problema que precisa de estratégia, pois ambos lidam com o trabalho de uma maneira bem tranquila.

Sobre o Dia dos Namorados, Luiza fala que não existe obrigatoriedade de fazer algo especial, justamente por acreditar ser uma data comercial. Mario surfa a mesma onda que Luiza nessa resposta, e vai além dizendo não ser dado a romantismos. “Não faço nadinha, sou péssimo nisso, romantismo zero! A Luiza já até desistiu de me cobrar essas coisas, rsrsrsr. É capaz de eu olhar pra ela e perguntar: quando é o dia dos namorados, mesmo?”

E para você ver o quanto o casal tem sintonia e humor, olha a resposta da Luiza quando é questionada sobre o presente que daria, se pudesse dar qualquer coisa no mundo para o seu amado. “Não daria nada. Não vou dar nada… hahaha não temos esse costume de dar presentes um para o outro. Raramente damos, mesmo no aniversário, natal. Normalmente a gente só tenta fazer algo fora da rotina, ir em um lugar diferente ou fazer algo diferente. Talvez pedalar juntos fosse um bom presente.” Já o Mario pensou num presente inusitado. “Um ano sabático, sem trabalho, viajando de mochilão ao redor do mundo. Ou uma viagem pelo Alaska, a Luiza gosta do Alaska e eu amo o frio, rsrrsrrs.” O detalhe é que daria um ano sabático, mas levando ele junto… E ele disse que não era romântico…

Mas romântico mesmo é ver esse casal pedalando, acampando, fazendo trilha e se aventurando pelo Sul da Ilha de Floripa. Nisso, eles não economizam tempo e vontade.

E sobre um canto que consideram como algo especial, Mario fala que o Morro das Pedras é o lugar que escolheram morar e seguir construindo a vida juntos. “Antes de nos mudarmos, viemos para Floripa olhar uns lugares e ela adorou o bairro. Temos o mar pertinho, Lagoa do Peri, baleias, trilhas, tudo que a gente curte pertinho de casa.” Para Luiza, não há um canto exclusivo que os simbolize como casal, pois o que considera especial para os dois é fazer trilhas juntos. “Aqui no sul da ilha tem várias trilhas. Não é um lugar específico, mas atividade em si. Se tiver que citar um lugar mesmo, é a nossa casa. Ela tem a nossa energia, é a soma do nosso caminho, da nossa decisão de vir morar em Florianópolis.

O Mario e a Luiza têm muitos gostos similares, inclusive musicalmente. Quando foram escolher, separadamente, uma foto deles para estar ao lado de uma palavra, frase ou trecho de música, claro, escolheram música.

E sobre as fotos, só foram diferentes porque o Mario mandou quatro opções, e uma delas era a mesma que a Luiza escolheu.

Aventureiros e, para lá, de românticos, do jeito deles. Mas românticos, sim. Esses, senhoras e senhores, são Mario e Luíza, um casal do Morro das Pedras, parceiros de trabalho na Koala Media House e do Sul de Floripa.

De novo: O Mario disse que não era romântico… Alguém fala para ele? Luiza?

De Luiza para Mario

Uma aventura de casal 1

“Não te trago ouro porque ele não entra no céu
E nenhuma riqueza deste mundo
Não te trago flores porque elas secam
E caem ao chão
Te trago os meus versos simples
Mas que fiz de coração”
(Chimarruts)

De Mario para Luiza

Uma aventura de casal 2

“Viver não tem manual
É movimento autoral
Mas veja bem movimento
Não dá pra estar sem andar
Amor, o movimentar
É o que nos dá o sustento..”
(Bernardo do Espinhaço)

Foram entrevistas com 4 casais, tão especiais e tão distintos na sua forma de se relacionar. Eles, como vocês podem perceber, só provam que não existe regra geral ou receita de bolo. Cada um soma o relacionamento com o que tem e todos são unânimes em dizer que conversa, a boa e frutífera conversa, com sinceridade, abertura e vontade de melhorar, é a base fundamental para quem deseja amar, trabalhar e sonhar com uma história de sucesso, pessoal e profissional, como casal.

Nós, do Sul de Floripa, desejamos a todos os apaixonados de plantão, que tenham um dia lindo.

E que não esqueçam, como diz o refrão da letra de música do Dazaranha, “O dia lindo a gente faz”.

Curtiu? Quer responder as perguntas também?

Fica a dica, se vocês não são sócios ou trabalham juntos, podem imaginar o trabalho conjunto com as tarefas domésticas ou as tarefas com filho(s).

Depois comparem as respostas e vejam se estão afinados(as).

10 perguntas:

1. Como vocês se conheceram?
2. Quando surgiu a ideia de trabalhar juntos?
3. Quais foram os primeiros desafios como casal e parceiros de negócio?
4. Qual o segredo para driblar conflitos e pensamentos diferentes?
5. Que vantagens você enxerga em trabalhar com a pessoa que você ama?
6. Qual estratégia usa quando vê que algo do trabalho chegou até o quarto de vocês?
7. O que você busca fazer, para lembrar a pessoa que você ama, da época de namorados?
8. Se fosse pensar uma palavra, frase ou pedaço de canção que lembra seu amor, qual seria? E por quê?
9. Se pudesse dar qualquer coisa de presente, começaria dando o quê?
10. Qual o lugar, no sul da ilha, que tem a ver com vocês ou com a pessoa que você ama, e por quê?

Agora, escolhe no seu arquivo de fotos, uma foto que curte admirar de vocês dois para mostrar depois que compararem as respostas da entrevista. E na hora de mostrar a foto, recitem a palavra, frase oi trecho de música.

Bom divertimento!

Farah Diba Albuquerque

Apaixonada por viagem e turismo, Farah Diba Albuquerque não é manezinha no DNA, mas mora em Floripa há quase 30 anos. Fez duas faculdades: Direito e Jornalismo. Mas assume que a vocação é ouvir histórias, entrevistar pessoas e escrever sobre o que vê e sente. Já morou em vários cantos do arquipélago da magia, mas foi só no Sul da Ilha que encontrou o que precisava para escrever seu primeiro livro. É nesse pacote *{natureza, história e espírito de comunidade}* que descobriu um dos presentes da terra. Jornalista do site Sul de Floripa.